Dando continuidade ao tema “As razões egoístas para ser voluntário” (você pode ler o texto 1 da série aqui – link). Neste texto, iremos abordar dois novos casos:

Caso 1

Se você trabalha (ou pretende trabalhar) em empresas de grande porte e/ou caráter global

O mercado a nível global tem entendido a importância da sustentabilidade, e muitas empresas já entendem a responsabilidade social como valor – ainda que haja diferentes interpretações e nomenclaturas. Uma vez que as empresas entendem a responsabilidade social como um valor, isso se torna parte de sua cultura, e a cultura das organizações precisa de pessoas para se perpetuar. Dessa forma, as empresas buscarão colaboradores que compartilhem dessa visão.

Para observar esse comportamento nas empresas, basta acompanhar empresas como Dell, Starbucks e nacionalmente, a Natura.

Ou seja: ser voluntário te ajuda a ser um candidato mais competitivo para vagas de empresas globais. E a tendência é que mais e mais empresas adotem essa visão. Para se engajar, você pode ser voluntário por iniciativa própria, como também pode demandar que a empresa em que você trabalha desenvolva programas de voluntariado corporativo. Caso a sua empresa não tenha programas nesse sentido, quem sabe você não se torna o responsável por desenvolvê-los?

Voluntariado corporativo

O voluntariado corporativo, ou voluntariado empresarial, tem crescido dentro das empresas. Entende-se por voluntariado corporativo: o trabalho voluntário dos colaboradores de uma organização, incentivados por ela, que pode acontecer de diversas formas: dentro ou fora do horário de trabalho, em parceria com ONGs e projetos sociais, em ações de um dia ou programas de voluntariado de longa duração, para citar alguns..

Algumas empresas que possuem essa prática são o Google, a Disney e a Fundação Telefônica.

Imagem: Facebook Disney VoluntEars.
Imagem: Facebook Disney VoluntEARS.
Benefícios do Voluntariado Corporativo

Os benefícios de programas de voluntariado dentro das empresas são inúmeros. A pesquisa “Perfil do Voluntariado Empresarial no Brasil III”, realizada em 2012, como uma iniciativa do Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial (CBVE), aponta que algumas das melhorias percebidas pelas empresas que realizam voluntariado são:

“-melhora de suas relações com a comunidade

-consolidação de valores éticos no seio da organização

– favorecimento do trabalho em equipe

-melhora da imagem institucional da empresa”.

A pesquisa aponta também que empresas de todos os portes desenvolvem programas ou possuem ações de voluntariado corporativo, desmistificando a ideia de que apenas empresas de grande porte possuem estrutura para realizar essas ações.

Sendo assim, não se trata apenas de seguir a tendência, mas de benefícios reais para a sua empresa – e para sua carreira. As habilidades desenvolvidas por você durante o trabalho voluntário também podem ajudar você a crescer dentro da empresa em que você trabalha.

Atenção

Caso você tenha poder de decisão em sua empresa e tenha interesse em desenvolver um programa de voluntariado, é importante que você saiba que esse é um projeto que requer planejamento e preparação.

Você pode saber mais sobre os desafios do voluntariado corporativo. Também recomendamos a leitura da pesquisa, para entender melhor sobre o tema: você pode acessar a pesquisa completa aqui.

Caso 2

Se você é empreendedor e/ou trabalha (ou pretende trabalhar) em empresas de pequeno e médio porte

Não se engane, a tendência global de sustentabilidade também está batendo na sua porta. Por mais que as mudanças possam chegar um pouco depois até você, o compromisso social com a comunidade também representa fator de diferenciação. Vamos começar entendendo o MEG:

Modelo de Excelência da Gestão® (MEG)

O MEG avalia até onde a gestão das empresas está desenvolvidas (ou seja, o grau de maturidade). Ele foi desenvolvido pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), com a missão de:

“estimular e apoiar as organizações brasileiras no desenvolvimento e na evolução de sua gestão para que se tornem sustentáveis, cooperativas e gerem valor para a sociedade e outras partes interessadas. Ele possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados organizacionais. E, ainda, proporciona a compreensão do mercado e do cenário local ou global onde a organização atua e se relaciona”.

A ideia de sustentabilidade que orienta o MEG é a capacidade de a empresa continuar existindo ao longo do tempo. Como? Estando saudável financeiramente e sendo administrada de forma bem sucedida, ao mesmo tempo em que se preocupa em manter as condições do ambiente em que está inserida (meio ambiente e comunidade).

Essa e outras informações estão disponíveis no site da FNQ. O questionário é dividido em 8 critérios de excelência:

Imagem: site Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).
Imagem: site Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

A responsabilidade social é considerada em Sociedade, sendo uma das perguntas: a empresa realiza ações ou projetos sociais com a comunidade?. Existem também outras perguntas que enfatizam a importância de se pensar a sustentabilidade nos negócios, inclusive com preocupações relacionadas ao meio-ambiente. O MEG é difundido e utilizado como questionário base para o Prêmio MPE Brasil (Prêmio de Competitividade das Micro e Pequenas Empresas).

Assim, considerar a responsabilidade social: 1 – torna sua empresa mais próxima do padrão de empresas de grande porte, 2 – contribui para a sustentabilidade do seu negócio (e do ambiente ao seu redor).

O Consumidor do Futuro

Se isso não for suficiente para você, vamos falar do consumidor do futuro: a geração Z (a idade varia entre os teóricos, mas você pode considerar aqueles que nasceram a partir da década de 1990).

geração-z

A Nielsen fez em 2015 uma pesquisa de Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade (disponível aqui, em inglês) onde foram entrevistados 30 mil consumidores em 60 países.

Em seus resultados, foi constatado que houve um crescimento entre a geração Z do número de jovens “dispostos a pagar mais por produtos e serviços que vem de empresas que são comprometidas com o impacto social e ambiental positivo: foi de 55% em 2014 para 72% em 2015”. Vamos repetir: dispostos a pagar mais.

Ou seja: além de tudo, ser um voluntário e/ou apoiar projetos sociais pode fazer com que você e/ou sua empresa se aproximem da nova geração de consumidores, mais exigentes e conscientes da importância de empresas socialmente responsáveis.

Bônus

Se você tem interesse em se candidatar a essas empresas via programas de trainee

O voluntariado pode ser um fator agregador ao seu currículo: é importante ter um acúmulo de experiências que lhe diferenciem dos demais candidatos. Esse é inclusive o tema de um podcast do Vida de Trainee, falando sobre “E se eu não tiver experiência?”.

Aqui, vale a mesma lógica das atividades extracurriculares no caso de estudar no exterior (tema do artigo anterior). Ou seja, as habilidades desenvolvidas em experiências diferenciadas podem te tornar um candidato mais forte. O Portal Trainee e RH falou sobre como o Envolvimento com causas sociais e trabalho voluntário enriquecem o profissional.

E então, se convenceu de como é importante ser voluntário, além das razões altruístas?

Que tal buscar um projeto para apoiar e/ou se voluntariar?

Caso queira entrar em contato com a gente pra saber mais, você pode acessar aqui ou enviar um email para contato@projetopolitique.com.br.

Até a próxima!

COMPARTILHAR
Artigo anterior4 respostas que você procurava sobre as emendas parlamentares
Próximo artigoEleição é tudo igual? – O caso dos Estados Unidos
Camilla Borges
Sou alagoana com muito orgulho, mas moro em Recife há 9 anos. Administradora pela UFPE e Internacionalista pela Estácio, aqui encontrei terreno fértil para crescer como profissional. Sempre fui meio sonhadora, por isso eu amava filmes da Disney e cresci lendo Harry Potter. Convivi com pessoas de diferentes histórias e classes sociais, isso despertou em mim a empatia de buscar entender o outro. Sobre o universo da política, aprendi com meus pais desde pequena e consolidei nas graduações. Na minha história, as pessoas me escolhiam como líder, o que muito me ensinou. Chegou uma hora em que o chamado de fazer a diferença falou muito alto. Foi uma questão de tempo para que o Politiquê? se apresentasse a mim como uma missão. Logo, ele se tornou um compromisso de transformação social que assumi com a sociedade e tenho levado adiante junto com outros sonhadores.

DEIXE UMA RESPOSTA