Olá, tudo bem? 😀

Já aviso de antemão que a entrevista de hoje vem direto do túnel do tempo! Isso porque a Mari Figueiredo, nossa entrevistada de hoje, teve a oportunidade de participar da primeira edição da Ação Politiquê? nas Escolas, lá em 2014, como coordenadora das dinâmicas. E, convenhamos, dois anos em tempos de internet banda larga soam como uma eternidade, né mesmo? Hahaha

Brincadeiras à parte, vamos conhecer um pouco mais sobre a Mari, essa Cientista Política, pesquisadora do Instituto Futuro da UFPE e gestora da área de Pesquisa e Desenvolvimento do Politiquê?, que nos enche de orgulho a cada dia mais com sua capacidade!

mari f.

Politiquê?: Mari, você começou como coordenadora da Ação Politiquê? nas Escolas Ano I. O Politiquê? ainda não era tão conhecido na época. Quando você conheceu o Politiquê?? O que te levou a acreditar no projeto e a se inscrever para participar da Ação nas Escolas?

Mariana F.: Conheci o Politiquê? um pouco antes de abrir seleção para a Ação. Tinha uma vaga para trabalhar em conteúdo, fiquei sabendo através de compartilhamento dos Diretores do projeto, que na época eram meus amigos de curso e me empolguei logo em participar, pois, na época, estava no início da minha graduação e achei que seria uma oportunidade incrível de juntar duas coisas que gosto: escrever e falar sobre política. Mas não deu certo! 🙁 não fui selecionada para o conteúdo. Contudo, me disseram que tinha uma Ação que vinha sendo desenvolvida e meu perfil era mais de coordenadora. Depois de saber toda a trajetória da Ação fiquei muito empolgada e aceitei o desafio.

Politiquê?: Você concluiu recentemente o curso de Ciência Política pela UFPE. Para você, o Politiquê? é uma oportunidade de por em prática o que você aprendeu na faculdade?

Mariana F.: O Politiquê? me dá oportunidade de colocar em prática o que a faculdade não me ensinou: me aproximar das pessoas. A tal da empatia, sabe? Lá estudamos muita teoria! Partir para a prática? Só se tiver muita coragem. E o Politiquê? é um projeto que desde o início me desafia a criar pontes entre essas teorias que aprendi e a realidade.

Politiquê?: Sei que você faz parte do Instituto Futuro. Você acredita que seu trabalho lá a auxilia nas pesquisas e projetos que você desenvolve para o Politiquê?

Mariana F.: O Instituto Futuro é um Instituto novo na UFPE, mas temos como pilar focar na interdisciplinaridade; no sentido de que todos temos o que ensinar e (re) aprender. Quanto mais pessoas de áreas distintas para discutir sobre um tema como, por exemplo, educação, comunicação, cidades do futuro, melhor. Todo mundo sai ganhando. Essa troca tão diversa que acontece me faz estar sempre ligada com vários campos do conhecimento, uns que nunca sonhei que iria gostar. Isso me impulsiona no desenvolvimento de projetos em áreas que nunca tive muito contato e, por consequencia, também no Politiquê?.

Politiquê?:  Agora, conta um pouquinho sobre o que você já fez no Politiquê? e sobre o que está fazendo atualmente.

Mariana F.: Como já disse, fui coordenadora na primeira Ação Nas escolas, era um desafio geral, tanto para nós integrantes da Ação, como também para a equipe, era a primeira grande Ação do projeto. Tínhamos que mergulhar de cabeça e fazer acontecer! No início, o frio na barriga de ir nas escolas, apresentar o projeto aos professores, coordenadores e gestores era imenso. Muitos não acreditavam na gente, tínhamos que convencê-los que estávamos ali para ensinar política de uma forma suprapartidária e, sabe, às vezes não foi fácil. Mas sabe o melhor? No final, quando os alunos e professores estavam super envolvidos, era maravilhoso!

Depois da Ação passei para membro da equipe, mais especificamente para a área de Pesquisa e Desenvolvimento. Junto com a equipe buscamos desenvolver novas Ações, cursos, palestras que serão desenvolvidos no futuro pelo projeto.

Politiquê?: E como foi essa experiência como coordenadora da Ação nas Escolas em 2014?

Mariana F.: Posso dividir principalmente em dois momentos. O primeiro, e mais desafiador, era o contato com a equipe da escola. Professores, coordenadores e gestores. Tínhamos a missão de fazer com que eles acreditassem no projeto tanto quanto nós acreditamos. Precisaríamos de algumas aulas em algumas turmas para aplicar a dinâmica, e, por vezes, as dificuldades se apresentavam. Nessas horas, buscar uma solução era a tarefa mais complexa. Vencidas essas dificuldades, vinha a parte boa!! Na sala de aula, cada turma era uma caixinha de surpresa. Algumas quietas demais, outras AGITADAS demais, mas junto com a equipe de embaixadores, tudo fluía.

mari fi.

Politiquê?: Quais as maiores dificuldades que você já enfrentou dentro do Politiquê?? E como você lidou com isso?

Mariana F.: Teve um tempo que passei fora, um “intercâmbio” de seis meses na UNB para cursar um período de Ciência Política lá. Então, ser voluntária que já não é tarefa fácil, quando se está longe fica mais dificil ainda. Não queria, de jeito maneira, me afastar, nem sair do projeto. Tive que me motivar, e acreditar no projeto. Tive que desenvolver os projetos à distância e, ficar longe das reuniões do contato com as pessoas foi bem dificil. No fim de tudo a resiliência foi a palavra da vez e, deu tudo certo!

Politiquê?:Teve algum momento que mais te marcou durante sua trajetória no Politiquê??

Mariana F.: Durante a preparação para ser Coordenadora recebemos um Workshop e no primeiro momento quem falou foi Camilla, a Presidente do Projeto. Ela falou sobre toda a trajetória do Politiquê?, desde sua inquietação para fazer algo até criar o projeto. É de fato emocionante ver como a paixão por um ideal move as pessoas!

Politiquê?:Como é o clima organizacional?

Mariana F.: O clima é massa!! Cada equipe tem seu diretor de área e, constantemente, temos reuniões por Skype, Hangouts…. Ou pessoalmente (ocupando os cafés da vida 😛 ). O clima é bem descontraído, mas sempre tratamos de assuntos sérios, juro!

Politiquê?: Como você imagina o Politiquê? daqui a 5 anos?

Mariana F.: Para o  Politiquê?, o  mundo é pequeno! CERTEZA! Nesses 5 anos vamos estar espalhados por todo Brasil, com Ações, cursos, palestras. Impactando muita gente, com nossa sede própria, fazendo parcerias incríveis, e tudo isso é só questão de tempo <3

Politiquê?: Qual dica você daria para quem deseja fazer parte do Politiquê?

Mariana F.: Primeiro você tem que acreditar e abraçar o que defendemos, isso é o que vai lhe mover. Depois saber que não vai ser fácil, as dificuldades para um projeto não são poucas, mas quando vemos o resultado é incrível!!

Depois dessa entrevista, e conhecendo a Mari como conheço, só posso dizer que o mundo que é pequeno para o tamanho do coração dela! Obrigada por compartilhar isso com a gente, Mari!

Espero que você, querido(a) leitor(a), tenha gostado tanto quanto eu! Nos vemos na próxima entrevista! Até lá! 🙂

COMPARTILHAR
Artigo anteriorUm guia prático sobre as licitações no Brasil
Próximo artigoAs responsabilidades que tem um Prefeito no Brasil
Projeto Politiquê?
Somos um projeto social formado por voluntários que acreditam na educação política e na cidadania como ferramentas de transformação social. Nossa proposta é fornecer aprendizado sobre o aspecto institucional básico e sobre o funcionamento da política, e também promover valores cidadãos por meio do empreendedorismo cidadão. Nosso trabalho é voluntário e desvinculado de partidos ou de correntes ideológicas. Temos como compromisso o suprapartidarismo e a imparcialidade. Queremos oferecer uma linguagem dinâmica, acessível e de qualidade sobre os temas de política, cidadania e empreendedorismo cidadão.

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns, pelo site excelente que vcs criaram.
    Ele tem um excelente valor didático, informativo e de cidadania, e até moral!!

    Um grande abraço para a equipe de vcs.

    MÁRIO JORGE RAMOS
    GESTOR AMBIENTAL

DEIXE UMA RESPOSTA