Como eleitores, temos uma decisão crucial em nossas mãos: decidir quem irá ocupar os cargos que terão papel decisivo no nosso futuro.

Na democracia, o voto é uma das principais maneiras pela qual o eleitor pode se fazer ouvir. Portanto, é essencial pensar bem em quem votar e como essas pessoas poderão representar os nossos interesses.

Mas o que acontece quando preferimos invalidar o voto? Não dar o voto a ninguém, seja por qual motivo for, é uma decisão quase tão importante quanto a quem dá-lo.

Você tem o conhecimento necessário para tomar essa decisão? Continue lendo e descubra tudo que você precisa saber antes de decidir invalidar o seu voto!

Como se invalida um voto?

Existem dois tipos diferentes de voto inválido: o voto em branco e o voto nulo. A diferença entre os dois é a seguinte:

  • Voto em Branco: Quando um eleitor tecla o botão “BRANCO” na urna eletrônica, ele deposita um voto em branco;
  • Voto Nulo: Quando um eleitor digita um número que não é válido na urna, o voto é nulo.

Simples, não é mesmo?

Um número não é válido na urna quando ele não representa qualquer partido ou candidato nessas eleições. Ou seja, ele simplesmente não existe!

O eleitor pode dar um voto nulo por acidente (errando o número do partido ou candidato que queria votar) ou de propósito (colocando um número que sabe que não é válido).

Para evitar a anulação por acidente, as urnas eletrônicas avisam caso o número esteja incorreto. Por isso, se não for sua intenção, preste bastante atenção antes de apertar o botão “CONFIRMA”!

Imagem da Urna Eletrônica Brasileira
Imagem da Urna Eletrônica Brasileira

Afinal, os votos inválidos importam?

Existe bastante confusão quanto à importância dos votos inválidos nas eleições, então vamos deixar bem claro: votos inválidos não cancelam o resultado das eleições, mesmo que a maioria dos eleitores invalide os seus votos!

O mal-entendido se deve a outro conceito importante para as eleições, mas que tem uma definição bastante diferente: a nulidade dos votos.

A nulidade acontece quando ocorre uma fraude ou a utilização de identidades falsas em uma eleição, por exemplo.

Se mais da metade dos votos de uma eleição forem anulados por essas razões, a Justiça Eleitoral anula essa eleição e marca outra dentro de um prazo de 20 a 40 dias.

Além de fraude e falsidade ideológica, pressionar e intimidar eleitores, ou votar após o encerramento da votação são algumas das razões para anular votos.

Assim, caso mais de 50% dos eleitores dê um voto inválido, a eleição continua de pé, sendo decidida apenas pelos votos válidos.

Em qualquer caso, votos inválidos são apenas isso: inválidos! Eles não influenciam diretamente os resultados das eleições, em qualquer maneira.

Por isso, invalidar o seu voto é o mesmo que não participar, o que é um direito de todos, mas que deve ser feito com consciência.

O voto não é a única maneira dos cidadãos se engajarem na política, mas é uma das mais importantes. Por isso, pense bem antes de decidir dar um voto inválido.

Você conhece alguém que está pensando em invalidar o voto? Recomende esse artigo para essa pessoa!

Ajudar todos a entenderem aquilo que importa sobre a política e tomarem decisões bem informadas é a nossa missão. Faça, você também, a sua parte!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPolitiquê? na Mídia – Tenho menos de 18 anos: para que votar?
Próximo artigo7 razões por que o Politiquê? não se posiciona politicamente
Rafael Paraiso
Estudante de ciência política e uma trívia ambulante, pois nenhum conhecimento é demasiado ou desnecessário! Apaixonado desde cedo pela política, quando ela não passava de algumas ilustrações bonitas em livros de história, transformei essa paixão em um diploma e agora me dedico a pensar cientificamente uma das partes da vida humana que mais suscita paixões. Se terei uma carreira na academia ou no dia-a-dia da política, ainda estou tentando descobrir. O que sei por agora é que a minha fascinação veio da incrível capacidade da política de gerar mudanças positivas na vida das pessoas, desde que conte com a participação de toda a sociedade. Entender como a política funciona é essencial para saber como isso é possível e fazer acontecer, e é aqui que o trabalho do Politiquê? (e, espero, a minha contribuição) fazem toda a diferença!

DEIXE UMA RESPOSTA