Se você ainda está duvidando do que conversamos na Parte 1 desse post, acho que irá mudar de opinião já já! Caso não tenha lido ainda, corre lá e dá uma olhadinha antes!

Sim, onde paramos mesmo na nossa conversa da Parte 1? Ah! No workshop realizado pelo Projeto Politiquê?, em 2014, para preparar os embaixadores e os coordenadores selecionados para a “Ação Politiquê? nas Escolas Ano I”.

Mas, olha, vamos fazer o seguinte: vou explicar primeiro o que é essa “Ação Politiquê? nas Escolas Ano I” e depois voltamos  para sua pergunta do início do post, certo?

A  Ação Politiquê? Nas Escola Ano I: aprendendo e ensinando sobre política.

Bem, o Politiquê? é um projeto que tem por objetivo principal despertar o interesse dos jovens por política. A princípio, o projeto atuava somente online, ou seja, por meio de sua fanpage. No entanto, surgiu um inquietamento entre seus membros, que sentiram a necessidade de também agirem offline e, dessa forma, terem um contato mais próximo com seu público-alvo.

Nasceu, assim, a ideia da “Ação nas Escolas”, uma iniciativa do Politiquê? de mostrar, na prática, para estudantes da rede pública de ensino de Recife, o quanto política é legal e importante no nosso dia-a-dia.

“- Certo, mas como é que isso aconteceu exatamente?”

Explico agora! Primeiramente, preciso informar que por ser um trabalho feito para jovens há um cuidado redobrado no que diz respeito à linguagem, ao material preparado, etc. Por essa razão, o projeto criou um Piloto-teste da “Ação nas Escolas” e o pôs em prática na querida Escola de Referência em Ensino Médio – EREM Olinto Victor. Depois, todos os resultados foram apresentados para a Gerência Sul da Secretaria de Educação de Pernambuco, nossa grande parceira (faremos, mais adiante,um post a respeito do Piloto para que você saiba mais).

Foto: Alunos da EREM Olinto Victor pondo a mão na massa!
Foto: Alunos da EREM Olinto Victor pondo a mão na massa!

Como a equipe de membros fixos do Politiquê?, à época, era bem restrita – e tinha outras atividades a desempenhar -, foi aberto um processo seletivo (aquele sobre o qual falei nesse texto) para embaixadores e coordenadores, que iriam “representar” o projeto em todas as classes em que fossem aplicadas a dinâmica da “Ação nas Escolas”.

Esses embaixadores e coordenadores não eram, portanto, membros efetivos do Politiquê?, mas foram extremamente valiosos para o projeto, pelo importante papel que desempenharam. Fora que parte desses voluntários foram efetivados posteriormente. É verdade e sou um exemplo disso 😀

Após a seleção, esses voluntários participaram de workshops, espécie de oficinas, onde puderam se conhecer melhor e saber um pouco mais sobre o Politiquê?, sua visão, missão, valores, etc. Foi também nesses workshops que os embaixadores/coordenadores aprenderam a aplicar a dinâmica da “Ação nas Escolas” especialmente desenvolvida pelo Politiquê? para os estudantes.

Imagem: Embaixadores e Coordenadores em workshop
Imagem: Embaixadores e Coordenadores em workshop

“- Ah! É essa a tal da aula dinâmica sobre política, com alunos participando e gostinho de quero mais ao final?!” Imagino que seja esse seu questionamento agora e já antecipo que a resposta é: SIM!

Lembra que conversamos no primeiro post sobre o fato de que boa parte dos alunos ficam desestimulados e sem querer participar ativamente das aulas que seguem aquele método tradicional de ensino?

Então, o Politiquê? também estava bem atento para esse ponto. Principalmente, por saber que o assunto do qual queria/quer tratar com os jovens, isto é, política, não é tão bem visto pelos estudantes. E é agora vem o pulo do gato!

Como transformar uma “aula” sobre política na melhor do mundo:

 Essa é uma receita muito simples. Papel e caneta à mão? Bem, você irá precisar de:

–    Dezenas de alunos (nada impede que sejam bem menos também)

–  Uma dose generosa de criatividade

–    Embaixadores/Coordenadores que sejam excelentes ouvintes.

O modo de preparo é: misturar tudo isso numa sala de aula e o resultado é simplesmente fantástico!

Brincadeiras à parte, o fato é que política é um assunto que permeia praticamente tudo que está ao nosso redor: passa pela energia elétrica, pelo saneamento da nossa rua, pelos impostos que pagamos, pelas regras de trânsito, pelas eleições, entre tantas outras coisas. Sendo assim, os jovens também vivem e respiram política, mesmo que não percebam.

A ideia da dinâmica da “Ação nas Escolas” é dar voz e vez a esses alunos para se expressarem, falarem suas experiências, refletirem sobre o assunto e chegarem a suas próprias conclusões. O Politiquê? entende que seu papel é de facilitador.

Por essa razão, ao contrário do que ocorre no método tradicional de ensino, que é passivo, a dinâmica da Ação é bastante ativa.  Em outras palavras, ela pode ser descrita como uma construção de conhecimentos pelos alunos e pelos embaixadores/coordenadores conjuntamente.

Da minha experiência enquanto embaixadora, posso dizer que participei de dinâmicas em que pude ver todos os alunos de uma sala participando voluntariamente e, ao final, ficando com aquele “gostinho de quero mais”!

Espero que você tenha gostado da nossa ideia. Que tal deixar comentários aqui embaixo para que possamos ouvi-los?  Até a próxima!

 

DEIXE UMA RESPOSTA